NEUROSONOGRAFIA

/NEUROSONOGRAFIA

A suspeita de uma anomalia cerebral fetal consiste em uma questão crucial para a família e profissionais envolvidos com este doente. Nos últimos anos, o desenvolvimento da área de imagiologia cerebral fetal tem sido notável, baseado na aquisição de conhecimentos e técnicas de neurosonografia e ressonância magnética do cérebro fetal. Tal facto reveste-se de enorme importância no contexto do diagnóstico pré-natal, uma vez que, à luz dos conhecimentos atuais e das expectativas das famílias, é imperativo o diagnóstico e aconselhamento corretos das patologias cerebrais fetais.

INDICAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DE NEUROSONOGRAFIA:
• Ventriculomegalia;
• Microcefalia ou Macrocefalia;
• Suspeita de anomalias da linha média: alteração ou não visualização do cavum septi pellucidi, corpo caloso ou outras estruturas do complexo anterior ou complexo posterior;
• Suspeita de malformação da fossa posterior: alterações da morfologia e/ou do tamanho do 4º ventrículo, da cisterna magna ou do vermis e/ou dos hemisférios do cerebelo;
• Suspeita de disgenesias corticais, seja por anormalidade do desenvolvimento dos sulcos cerebrais ou alterações na morfologia dos cornos frontais dos ventrículos laterais no plano axial, seja pela existência de caso anterior na família;
• Infeção suspeita ou confirmada por citomegalovírus ou por qualquer outro agente do grupo TORCHS;
• Suspeita ou confirmação de infeção materna por Zika vírus;
• Situações onde é possível a existência de Lesão Hipóxico-isquémica (Lesão da Substancia Branca): Gestações monocoriónicas especialmente quando há óbito de um dos gémeos ou quando há RCF selectiva tipo 3, patologia materna con hipoperfusão cerebral, taquicardia supraventricular fetal, isoimunização severa com transfusões intrauterinas, CMV e outras infeções (ZIKA), Cardiopatias Congénitas;
• Aumento ou diminuição do espaço subaranoideo;
• Presença de quistos cerebrais;
• Suspeita de hemorragias cerebrais;
• Restrição de crescimento fetal severa ou precoce.