Diabetes

/Diabetes
Diabetes Gestacional

A diabetes gestacional corresponde à hiperglicemia (excesso de açúcar) que se diagnostica durante a gravidez.

Em circunstâncias normais, as nossas células utilizam glicose (açúcar), produzidos a partir dos alimentos que consumimos, como combustível para que  o nosso organismo funcione de foram adequada.

Durante a gravidez, o corpo da mãe materno sofre adaptações para poder comportar o feto, e para lhe poder dar nutrientes (alimentos) para que ele possa crescer harmoniosamente. Durante este processo o pâncreas da mãe vai produzindo insulina de forma a proteger a mãe e o feto dos efeitos do excesso de açúcar (hiperglicemia).

Nas grávidas com Diabetes gestacional há uma alteração deste normal funcionamento e o organismo não consegue controlar /compensar este excesso de açúcar.

Em cada 20 mulheres que engravidam , 1 terá Diabetes gestacional.

Algumas têm mais factores de risco para o aparecimento da doença:

Idade materna >34 anos

Obesidade

História familiar de diabetes mellitus (1º grau)

Antecedentes de diabetes gestacional

Naturais da India, Paquistão e Bangladesh

Filhos com mais de 4kg à nascença

Abortos de repetição

Rastreio e diagnóstico

A diabetes Gestacional não apresenta sinais ou sintomas que a possa alertar e por isso é necessário análises para fazer o diagnóstico.

Quando se pode fazer o diagnóstico?

Há 2 períodos no qual o diagnóstico pode ser feito.

Nas análises do 1º Trimestre através de glicemia em jejum. Se este valor for normal, numa segunda fase, entre as 24-28 semanas de gravidez, por altura das segundas análises da gravidez, ser-lhe-á pedida a realização de uma Prova de Tolerância á Glicose Oral (PTGO).

Faz-se o diagnóstico de diabetes gestacional quando:

1ª consulta :

Glicémia em jejum entre 92 e 125 mg/dl – Diabetes Gestacional

Glicémia em jejum ≥ 126 mg/dl – Provável Diabetes prévia à gravidez

Se esta for negativa: PTGO entre as 24-28s:

Jejum ≥ 92mg/dl
1ª hora ≥ 180 mg/dl
2ª hora ≥ 153 mg/dl

 

Basta UM VALOR ALTERADO para se fazer o diagnóstica de diabetes gestacional.

Após este diagnóstico, a sua gravidez deve ser vigiada por uma equipa multidisciplinar que inclua Obstetra,  Nutricionista, Endocrinologista, Enfermeiro especialista e Pediatra

Como pode a diabetes gestacional afectar a minha gravidez?

A maioria da mulheres com diabetes gestacional bem controlada tem uma gravidez sem complicações

No entanto, pode ocorrer:

  • maior número de casos de hipertensão na gravidez
  • maior número de infecções urinarias ou vaginais
  • HIdrâmnios (excesso de liquido amniótico) qua pode associar-se a parto prematuro
  • Parto difícil, pelo crescimento excessivo do feto
E como pode afectar o meu feto?

O excesso de açúcar no sangue da mãe, passa, pela placenta para o sangue fetal onde estimula a produção de insulina que funciona como uma factor de crescimento. Os filhos das grávidas com diabetes gestacional mal controlada têm maior peso ao nascer que os das mulheres saudáveis, alguns deles com mais de 4 kg (macrossomia). Estes fetos podem ter maior dificuldade em nascer pela via habitual (vaginal), podendo sofrer algum traumatismo.

O excesso de açúcar também faz com que o feto aumente a produção de liquido amniótico (hidrâmnios).  Pode ainda:

–  atrasar o amadurecimento dos pulmões do feto, colocando-o em maior risco de ter dificuldade respiratoria

– aumentar a massa muscular do coração  de forma anómala – miocardiopatia hipertrófica

Após o parto, o excesso de insulina habitualmente produzida pelo feto, vai baixar muito os níveis de glicemia podendo provocar HIPOGLICEMIA NEONATAL.

É também mais frequente ocorrer icterícia neonatal (pele e mucosas amarela).

O Meu Filho vai ter diabetes?

A Diabetes gestacional é um marcador de risco para Diabetes mellitus tipo 2. Esta doença tem portanto risco familiar e logo os filhos destas mulheres têm um risco, mas habitualmente só se manifesta na idade adulta.

E eu, vou ficar com Diabetes?

Após o fim da gravidez , em cerca de 90% dos casos, a diabetes desaparece. No entanto com o passar dos anos  de cada 10 mulheres com diabetes gestacional – 6 vão ter diabetes.

Controlo e recomendações

A vigilância da gravidez deve ser efectuada por uma equipa multidisciplinar que estabelecerá um plano que assentará em:

Alimentação saudável
  • Exercicio fisico
  • Auto-monitorização da glicemia
  • Medicação

O trabalho desta equipa só terá sucesso se a grávida participar activamente neste processo!

Alimentação saudável

(…) Manuela ???

Eexercício Físico regular

10-15 minutos de exercício físico após as refeições ajuda a obter bons resultados no controlo da glicemia. São exemplos de exercícios – andar, dançar, mexer os braços.

Terapêutica Farmacológica

Quando a dieta e o exercício físico não são suficientes para atingir o controlo da doença poderá ser necessária a prescrição de medicamentos: insulina ou anti-diabéticos orais (metformina).

Nenhum destes medicamentos faz mal ao seu bebé. O seu papel é ajudar o seu organismo a utilizar o excesso de açúcar: Se os seus níveis de açúcar estiverem normais, o seu filho está protegido.

Autocontrolo

A vigilância na diabetes depende muito da motivação da grávida. É  necessário avaliar os valores de açúcar várias vezes por dia e saber adaptar a dieta/exercício físico para conseguir um bom controlo.

E depois do parto?

Geralmente a glicemia retorna aos valores normais logo após o nascimento do bebé. As mulheres com Diabetes gestacional têm um risco de desenvolver Diabetes mellitus superior ao da população normal. Seis em cada 10 mulheres terão Diabetes.

Cerca de 6-8 semanas após o parto deverá realizar uma prova de reclassificação que consiste novamente na realização de uma Prova de tolerância à glicose oral (PTGO) de 75g com colheita de sangue em jejum e 2 h após a ingestão.  O resultado dessa prova deverá ser observado pela equipa multidisciplinar.[/vc_column_text][/vc_column]